RSS

Arquivo da Categoria: Ambiente

Dia Mundial das Zonas Húmidas

 

diamundialzonashumidas

Dia Mundial das Zonas Húmidas

A convenção de Ramsar consagrou, em 1971,  2 de fevereiro como  data dedicada ao trabalho feito  para a  conservação e o uso sustentável das zonas húmidas.

Em 2017, evidencia-se o papel  das  Zonas Húmidas enquanto salvaguarda natural contra desastres.

Na Biblioteca,  a informação está  na classe 5.

 

Anúncios
 

Etiquetas: , , ,

Biodiversidade

22_de_maioQuercus

A 22 de maio de 1992,  as  Nações Unidas  adotaram o texto final da Convenção da Diversidade Biológica, que projeta o respeito pela biodiversidade, promovendo a  sustentabilidade e o reconhecimento do património natural como riqueza singular a valorizar por todos.  

Assim, celebra-se todos os anos o Dia Internacional da Biodiversidade.

Este ano, o tema é “Integração da Bioversidade para apoio às populações e aos seus meios de subsistência”. 

MapaÁreasProtegidas-ICNF

Em Portugal, as áreas protegidas são meios de promoção e educação para a preservação da Natureza. Igualmente, alguns constituem fontes de rendimento para as  populações que aí vivem.

 Todavia, há alturas em que a biodiversidade vem ter à cidade e pode ser acompanhada em direto – uma ninhada de falcões que vale a pena conhecer:

 

Etiquetas: , , , , , , ,

Dia da Terra

      A Terra , a nossa casa comum

É muito nobre assumir o dever de cuidar da criação com pequenas acções diárias, e é maravilhoso que a educação seja capaz de motivar para elas até dar forma a um estilo de vida. A educação na responsabilidade ambiental pode incentivar vários comportamentos que têm incidência directa e importante no cuidado do meio ambiente, tais como evitar o uso de plástico e papel, reduzir o consumo de água, diferenciar o lixo, cozinhar apenas aquilo que razoavelmente se poderá comer, tratar com desvelo os outros seres vivos, servir-se dos transportes públicos ou partilhar o mesmo veículo com várias pessoas, plantar árvores, apagar as luzes desnecessárias… Tudo isto faz parte duma criatividade generosa e dignificante, que põe a descoberto o melhor do ser humano. Voltar – com base em motivações profundas – a utilizar algo em vez de o desperdiçar rapidamente pode ser um acto de amor que exprime a nossa dignidade.      

Papa Francisco,Carta Encíclica Laudato Si

Isto sabemos:

a TERRA não pertence ao Homem;

é o Homem que pertence à TERRA.

O homem não teceu a trama da vida; ele é apenas um fio. O que faz com essa trama fá-lo a si   próprio.  

Chefe Seatle, 1854

 

 

Etiquetas: , , , , , ,

Plantar árvores, atitudes sustentáveis

“Devíeis ensinar aos vossos filhos o que nós ensinámos aos nossos: que a Terra é nossa Mãe. Tudo o que acontece à Terra acontece aos filhos da Terra.” – afirmava o Chefe Seatle em 1854.

No século XX, Carl Sagan dirá que o ‘Pálido Ponto Azul’ – a Terra – é o “único lar que conhecemos”.

Na Sá da Bandeira, Escola Associada da UNESCO, a Biblioteca, a Direção e a turma 10º A, assumem como seus os  Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

No Ano do Entendimento Global – Construindo pontes entre os pensamentos globais e as ações locais  – concretizámos o nossa ação sustentável, em colaboração  com a Quercus.  Contribuímos para a reflorestação de uma mata nacional com a plantação de três árvores autóctones numa Área protegida.

 

Etiquetas: , , , , , , , , , ,

Água

78% dos empregos, no Mundo, dependem dos recursos hídricos.

 

Águaa

Mensagem da Diretora Geral da UNESCO, Irina Bokova,

 por ocasião do Dia Mundial da Água, 22 de março de 2016

Entre 1990 e 2010, 2,3 bilhões de pessoas obtiveram acesso a melhores fontes de água potável. Isso é positivo, mas não é suficiente. Mais de 700 milhões de pessoas ainda não têm acesso a uma água limpa e segura, para terem uma vida saudável. O Relatório Mundial das Nações Unidas sobre Desenvolvimento dos Recursos Hídricos de 2016 (WWDR 2016) estima que por volta de 2 bilhões de pessoas necessitem de acesso a um melhor saneamento, com as meninas e as mulheres em uma situação ainda mais precária. Muitos países em desenvolvimento estão localizados em regiões de tensão relativa aos recursos hídricos e provavelmente serão mais afetados pela mudança climática. Ao mesmo tempo, a demanda por água está aumentando, especialmente em economias emergentes nas quais a agricultura, a indústria e as cidades estão se desenvolvendo em ritmo acelerado.

Os riscos são altos. A água é fundamental para a vida. Também é essencial para o desenvolvimento mais inclusivo e sustentável.

É por isso que a água está no centro da nova Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. A água está realçada no Objetivo 6, sobre a garantia da disponibilidade e da gestão sustentável da água e do saneamento. Ela é importante para o sucesso de todos os outros Objetivos – inclusive para fazer avançar a perspectiva de trabalho digno para todos, que é o foco do WWDR 2016.

A água é essencial para a agricultura, para a indústria, para o transporte e para a produção de energia, assim como é um motor para o crescimento económico. Ela gera e mantém empregos em todo o mundo, mas a obtenção dos objetivos de desenvolvimento não será apenas uma questão de recursos hídricos adequados como matéria-prima. A qualidade da água e do saneamento continua sendo essencial para se oferecer formas dignas de vida. Dos 2,3 milhões de mortes relacionadas ao trabalho que ocorrem todos os anos, 17% podem ser relacionados a doenças transmissíveis e à água imprópria para o consumo. É por isso que a água potável e o saneamento seguro nos locais de trabalho devem se tornar prioridades em todos os lugares. A superação do desafio de se criar e manter trabalhos dignos frente à mudança climática e à escassez de água exigirá investimentos muito maiores em ciência, tecnologia e inovação. As evidências mostram que o investimento em infraestrutura e em serviços hídricos pode resultar em elevados retornos tanto para o desenvolvimento económico, como para a criação de empregos. É importante que esses investimentos sejam planejados com todos os setores interessados, incluindo o agrícola, o energético e o industrial, para que sejam assegurados os melhores resultados para todos.

Como a principal agência das Nações Unidas para a educação e as ciências hídricas, a UNESCO trabalha de forma ativa para esses fins. Isso se inicia com o Programa Hidrológico Internacional e sua rede de Comités Nacionais, Centros e Cátedras. Desde 2003, o Instituto UNESCO-IHE para a Educação sobre Água formou milhares de cientistas e engenheiros hídricos provenientes de países em desenvolvimento. O nosso Programa Mundial para Avaliação dos Recursos Hídricos fornece aos governos e à comunidade internacional as informações mais atualizadas e politicamente relevantes sobre recursos de água doce em todo o mundo, assim como é pioneiro em novas técnicas de monitoramento hídrico sensível ao género. Tudo isso será essencial na concretização da Agenda 2030.

Os avanços exigem ações em todos os campos – por parte de governos, da sociedade civil e da iniciativa privada. São enormes os desafios que nós enfrentamos, derivados da mudança climática, da escassez de água e do deslocamento de trabalhadores com baixa qualificação. No entanto, a promoção de empregos de alta qualidade, enquanto preserva o meio ambiente e garante a gestão sustentável da água, ajudará na erradicação da pobreza, no estímulo ao crescimento e na construção de um futuro com trabalho decente para todos. Esta é a mensagem da UNESCO para o dia de hoje.

 

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 22 de Março de 2016 em Ambiente, Cidadania, Literacias, Poesia, UNESCO

 

Etiquetas: , , , ,

Árvores – Florestas

Virtude vegetal viver a sós e entretanto dar flores, diz o poeta para os homens que insistem em comemorar o Dia Mundial da Árvore e da Floresta  porque ainda não  entendem a  mensagem do Grande Chefe Seatle, em 1854: “Todas as criaturas respiram em comum – os animais, as árvores, os homens.(…) Não é a Terra que pertence ao homem, é o homem que pertence à Terra.Tudo o que fizer à Terra, fá-lo-á a si mesmo.”

Poema da árvore

As árvores crescem sós. E a sós florescem.

Começam por ser nada. Pouco a pouco

se levantam do chão, se alteiam palmo a palmo.

Crescendo deitam ramos, e os ramos outros ramos,

e deles nascem folhas, e as folhas multiplicam-se.

Depois, por entre as folhas, vão-se esboçando as flores,

e então crescem as flores, e as flores produzem frutos,

e os frutos dão sementes,

e as sementes preparam novas árvores.

E tudo sempre a sós, a sós consigo mesmas.

Sem verem, sem ouvirem, sem falarem.

Sós.

De dia e de noite.

Sempre sós.

 

Os animais são outra coisa.

Contactam-se, penetram-se, trespassam-se,

fazem amor e ódio, e vão à vida

como se nada fosse.

 

As árvores não.

Solitárias, as árvores,

exauram terra e sol silenciosamente.

Não pensam, não suspiram, não se queixam.

Estendem os braços como se implorassem;

com o vento soltam ais como se suspirassem;

e gemem, mas a queixa não é sua

Sós, sempre sós.

Nas planícies, nos montes, nas florestas,

a crescer e a florir sem consciência.

Virtude vegetal viver a sós

e entretanto dar flores.

António Gedeão

campoarvores1

Sobreiro – Árvore nacional

Árvore

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 21 de Março de 2016 em Ambiente, Cidadania, Poesia, UNESCO

 

Etiquetas: , , , , , ,

Ambiente – um símbolo para o clube da Escola

Uma causa, duas professoras, cinco turmas:

o 8º A  e B, o 9ºA, B e C, orientados pelas professoras Anabela Dias e Isabel Gaspar, idealizaram e desenharam símbolos para o Clube do Ambiente. Na Biblioteca, todos os desenhos estão expostos, até final do 2º período.

 

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 10 de Fevereiro de 2016 em Ambiente, Bibliotecando, Cidadania, Sem categoria

 

Etiquetas: , , , , , , , ,

 
%d bloggers like this: